Text Size

Árvores

Não é atõa que as árvores têm até mesmo uma data comemorativa em sua homenagem! Elas nos oferecem sombra, alimentos, madeira, papel, remédios, purificam o ar que respiramos, ajudam a controlar a temperatura e ainda embelezam qualquer ambiente... Apesar de por muitos anos elas terem diminuído consideravelmente nos grandes centros urbanos, a importância de seu cultivo e as vantagens que oferecem têm feito com que novas mudas tenham sido plantadas e novos espaços em calçadas, jardins e praças tenham sido ocupados por diversas espécies de árvores. A arborização urbana cria um vínculo entre homem e natureza, melhorando a qualidade de vida e bem estar.

Árvores apresentam diversos formatos, tamanhos, cores e cada espécie tem uma característica peculiar, e podem ser floríferas ou frutíferas. As principais partes de uma árvore são raízes, tronco, ramos, galhos e folhas. Como ser vivo que é, tem sistema de tecidos que serve como suporte e facilitam o transporte de água e sais minerais e matéria orgânica resultante da fotossíntese realizada nas folhas. São capazes de se adaptarem aos ambientes mais quentes e secos e até mesmo de se enraizarem em regiões alagadas ou sobreviverem por meses debaixo da neve em invernos rigorosos.

Nas regiões tropicais são onde se localizam a maior diversidade de espécies de árvores, sendo portanto o Brasil um dos países com a maior diversidade arbórea mundial. Aqui você pode facilmente cultivar uma árvore na sua calçada ou jardim pois o clima colabora para o crescimento e estabelecimento da planta. Existem espécies nativas do Brasil, ou mesmo exóticas, provenientes de outras partes do mundo. Mas quando se decide cultivar uma árvore muitas são as dúvidas que surgem... A primeira delas é qual espécie plantar? Sabemos que algumas são capazes de danificar calçadas e cabos elétricos, por isso são as primeiras a serem evitadas. Árvores que crescem demais, ou que têm raízes muito longas podem causar inúmeros problemas para áreas públicas, ou mesmo para sua residaência, como quebrar a tubulação interna da sua construção. Até mesmo a folhagem da árvore pode vir a criar um problema no futuro, como a necessidade de se recolher essas folhas constantemente. Árvores com frutos grandes podem danificar objetos localizados debaixo da mesma. Portanto, a escolha da árvore a ser plantada é o passo mais importante! Na maior parte das cidades brasileiras as companhias elétricas oferecem cartilhas indicando quais são as árvores mais indicadas a serem cultivadas em área pública, esse deve ser o primeiro passo a ser dado para aqueles que decidiram plantar uma árvore em área residencial. Sabendo quais sao as espécies que não te causarão problemas futuros quanto a danos em tubulacões, calçcadas ou fios elétricos, você agora pode comecar a analisar quais dessas espécies tem mais beleza estética na sua opinião, quais você mais gosta, e que se adaptam melhor ao clima da sua região.

Muitas são as espécies que você pode cultivar na sua calçada e jardim sem causar problemas, alguns exemplos são a resedá, cerejeira ornamental, Jasmim manga, bauhinia, manaca, pata de vaca e a bela quaresmeira! O Ipe amarelo, árvore nativa brasileira, tambem é uma boa opção para cultivo em jardins, ja que é de médio porte e muito decorativa. O chapéu de sol é uma ótima opção para aqueles que querem criar um espaço sombreado., porém atrai animais como morcegos.

Caso você tenha um espaço amplo, afastado de fios, você pode utilizar árvores de grande porte, como os ipês rosa e roxo, eucalipto, palmeira, magnólia, palmeira, sibipiruna, e até mesmo árvores frutíferas como a mangueira. Uma grande árvore de centro em um jardim de fundo faz toda a diferença!

Algumas espécies devem ser evitadas apesar de sua beleza, alguns exemplos são o chorão, o ficus-elástica, paineira, e a flamboyant, que por muito tempo foi utilizada como árvore de paisagismo urbano devido a suas belas flores, mas que por quebrar calçadas passou a ser uma opção pouco vanatjosa.

Feita a escolha da espécie a ser cultivada chegou a hora de plantar. O primeiro passo é preparar a cova. Você deve abrir um buraco de que seja pelo menos o dobro da largura e comprimento da raiz. Na hora de colocar a planta na cova, certifique-se de que ela não esteja muito funda, ou seja, de que o caule não está abaixo da linha de superfície entre o buraco e o nível normal da terra. Adube a terra que preencherá a cova utilizando 150 gramas de calcário, 200 gramas de superfosfato e adubo orgânico bem curtido. O ideal é fazer a mistura de 3 partes da terra com uma parte de adubo orgânico e então acrescentar o calcário e o superfosfato. Na hora de preencher o buraco coloque a terra aos poucos e nantenha a muda na direção mais reta possível. Mantenha pelo menos 5 metros de distância entre uma muda e outra, caso sejam árvores de pequeno e médio porte. Evite plantar próximo a muros e paredes. Regue a cada dois dias durante o primeiro mês. Nos dois primeiros anos é importante adubar a cada seis meses.

Muito boa sorte no plantio e cultivo da sua árvore!

PLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMITPLG_ITPSOCIALBUTTONS_SUBMIT